quinta-feira, junho 26, 2014

Das Entrelinhas


Não consigo ler nas entrelinhas. Confesso que sou burra, burrinha neste filme das entrelinhas. Do perceber,  do entender. Mas o problema é meu. [Óbvio, havia de ser de quem?] 
Mas isso sou eu que odeiooooo profundamente meias palavras, meias frases, o tipico do "ou fodes ou sais de cima?!". Mas isso sou eu. Eu tenho essa limitação. Grave. Gravíssima, direi antes! É todo um drama digno dos filmes antigos dos anos 80. Mas isso sou eu. Tenho essa limitação.

quarta-feira, junho 25, 2014

Da teoria de que eu sou um icebergue


Vais abaixo durante precisamente 142 minutos. Choras, esperneias, entras em pânico, berras, gritas. Fazes isso tudo... E levantas a cabeça. Levantas e pensas. Procuras e encontras soluções. Pedes ajuda a quem tens que pedir. Consegues ver o lado positivo de tudo, depois de terem invadido o teu espaço privado, sem qualquer autorização. Pensas e vês. Mas isto tudo depois de teres arranhado os joelhos, teres batido com o nariz no chão, teres partido a cabeça, teres perdido a esperança. Durante 142 minutos. 
Depois acabou.

Posted via Blogaway

sexta-feira, junho 20, 2014

Coisas Minhas (#02)


A pedido desta menina e de um projecto relacionado com a Psoríase e sobre o desconhecimento sobre saiu este texto, assim com ar... meu! 

"Ah.... A psoriase essa coisa maravilhosa que eu tenho... e irritante. 

Diagnosticada em Dezembro de 2009, mas não aceite por mim. O principal motivo: eu Sissy Maria não podia ter psoriase. Porquê? Porque não podia ter!!! Não é assim tãoooooo difícil de perceber, pois não?! Como gosto de saber o porquê e tudo mais sou teimosa e procuro um segundo diagnóstico que foi confirmar o primeiro. Aí já mais aceite... 

A Psoriase faz me lembrar uma doença psicológica. Porquê? Porque tem tudo a ver com o nosso psicológico... e com o tempo. Tendencialmente quando está assim mais húmido, chuva (para aí de Outubro a Abril) as crises aparecem. Oh se aparecem... Parecemos umas espécies de nuvenzinhas andantes, se não for feito o tratamento (já lá vamos a essa parte...)

Em pleno exame de condução, em Maio de 2010, lembro me de ter levado uma blusa bege. Estão a ver a cor bege? Exacto... Parecia branca. Pequenas partículas em cima dos meus ombros, tal não era o meu estado de nervos e de ansiedade. 

Outro problema... Eu sou stressada de natureza, ando sempre a 1000 à hora, a fazer não sei quantas coisas ao mesmo tempo. Nas alturas em que ando pior... senhores, nem vos digo nada para não assustar. É toda uma outra dimensão... 

Praia e sol é o tratamento mais natural. Esta é a parte boa... Usar a psoriase como desculpa para ir apanhar sol. Acreditem, ainda há pessoas que "ah e tal... Então já que pedes vamos...". Não vamos falar do cheiro a alcatrão dos tratamentos, pois não?? O que me faz mudar a fronha da almofada, todos os dias e a pensar em coloca la em lixívia. E daqueles que deixam o cabelo oleoso que parece que acabei de sair de uma frigideira de batatas fritas? E aqueles que nos fazem chorar devido à quantidade de álcool que possui? Com muita pena minha, não é Tequilla. É que sempre dava para outras aventuras. Depois os famosos peixinhos come come (é o meu nome fofo para eles!). Existem ao pé de mim no Jardim da Amoreira em Odivelas se já experimentei? Não. Se estou a pensar... sim. Porque não agora?! Simples... É Verão e não preciso de andar preocupada com tratamentos. 

Outra coisa se ainda se aperceberam (também não disse é verdade) o meu principal problema é no couro cabeludo. Também já tive um episódio no corpo... ao qual sou alérgica ao único creme que me faz efeito. Ahh e nas piores alturas dá me para chorar quando passo água pelo corpo.

Não sei se sabem, mas ter psoriase é considerado luxo. Medicamentos taxados a 23%. Sinto me muito melhor por ter uma doença sem cura, que é considerada um luxo. Um privilégio, talvez? 

Portanto... Paizinho, podia ter herdado muita coisa de ti: mas psoriase?! (sim, também é hereditária, ou não, esssa parte ainda não percebi...).  

Passados quase 5 anos a moral é esta: tenho psoríase, que não tem cura, mas pode ser controlável. Podemos continuar a usar espuma no cabelo (também era melhor!!!!!) e fazer aquelas coisas de gaja que fazemos quando vamos ao cabeleireiro. Não se pode passar secadores e preferencialmente água fria. Mas aqui eu não sirvo de exemplo porque habitualmente tomo sempre banho de água fria. 

Há alturas que me fazem querer cortar os pulsos é verdade. As pessoas nem sempre são simpáticas. Criticam abertamente porque pensam que é outra coisa qualquer. Não conseguem ter o discernimento de perguntar directamente. Prefiro essas, aquelas que perguntam abertamente, sem medos e sem rodeios (já me aconteceu em entrevistas de emprego)."

sexta-feira, junho 13, 2014

Vive




Vive como se fosse o último momento,
Acredita com toda a tua força,
Anda pela areia sorri e agradece,
Sê feliz.
Não acredites em tudo,
Mas acredita no que te faz feliz.
Ambiciona sempre por algo melhor.
Se te fez mal nunca vai ser bom porque se te fez mal tinha como objectivo de magoar.
Se te fez mal desiste, avança.
Se te faz bem... Não penses. Age!
Sê simplesmente uma coisa.... Feliz.

Posted via Blogaway

segunda-feira, junho 02, 2014

Das coisas que dizem (#01)*






Adam Liam está em Portugal. Provavelmente não devem saber quem é, assim só porque sim. Eu também não sabia.. Tive que ir procurar e depois "ahhhhhh..... és tu!!!!". Portanto é o cozinheiro, que ganhou o Mastercard Austrália, se não me engano o primeiro que passou em Portugal.

O senhor está em Portugal, veio experimentar os nossos petiscos, pratos tradicionais, doces e por aí fora.

Ficou encantado com os nossos pastéis de nata, entre muitas outras coisas... 
Inclusive o nosso Arroz de Pato. Por mim óptimo, perfeito. O senhor comeu, o senhor adorou. Postou essa foto no facecoiso.... E não é que há uma alma que diz que ele podia ter provado um outro arroz qualquer, inclusive Grego, que ficaria melhor servido.
É mais ou menos isto: alguém que se diz português, sugere comida de outro País. Se ele quiser também lhe sugiro um excelente restaurante indiano, ali na baixa e também pelo caminho um, segundo dizem, para lá de bom em cascais de comida americana.
Mas se vais a Roma, sê Romano. E se não tens nada de útil a dizer... Cala-te!

*isto vai dar uma rubrica para lá de gira!