sexta-feira, dezembro 19, 2014

Parabéns

Hoje fazes anos.
Hoje passados 15 anos  é a primeira vez que não te mandei mensagem a dar parabéns.
Hoje sonhei contigo.
Hoje acordei a pensar em ti.
Hoje mal dormi (por ti e não só).
Hoje não sei muito bem o que se passa.
Hoje lembro-me que te esqueceste de mim.
Hoje lembro-me de demasiadas coisas.
 
Mas apesar disso... Parabéns Amiga.

segunda-feira, dezembro 15, 2014

O código dos transportes públicos (ou dos assuntos que realmente me apoquentam quando estou com sono)

Eu sou tão fofa e tão querida (ironia) que eu vou vou ensinar a andar metro e também nos restantes transportes públicos.
São muitos anos, muitas viagens de metros, muitas greves e coiso e tal.
Primeiro e mais importante: as pessoas saiem dos transportes públicos, só depois é que entram. Isto serve para qualquer meio de transporte. Imaginem um sítio apertado, não podem querem colocar lá mais nada, se está apertado. Correcto? Então parem de empurrar as pessoas no metro! Respeitem! Mais e não menos importante... O facto de não estares sentado no lugar prioritário não significa que não dês o lugar. Eu sei, eu entendo. A mim lá pá meio da semana também me dói o corpinho, tenho sono e falta de cafeína. Exacto. Mas bom senso. Por outro lado, não sejam arrogantes e tenham humildade a pedir o lugar.
Greves senhores, greves. Esse mal que atormenta a alma de qualquer lisboeta trabalhador. Conselho mais importante: calcem os vossos melhores tennis e usem nos. É a melhor opção! Ou vão dormir par os vossos trabalhos, também é outra opção. E depois como chegam a casa? Também não sei a resposta a essa pergunta. Façam assim acreditem que vão chegar a casa, depois logo se vê. Ou façam como uma maluca que eu conheço (quem será...) que já foi a pé do Campo Grande a Entrecampos e apanhou o comboio. Para cá façam o contrário. Mas lanchem bem. Aconselho algo que sustente. E uma garrafa de água. Também não fica mal. E os tennis. Saiam do trabalho e tennis. E as bichas? Aí desculpem é filas que se diz para os autocarros e por aí fora... Elas existem por um motivo. Não é porque há um bando de idiotas que se decidem em por em filinha pirilalau (saudades de ouvir isto no meu tempo de caloira...).

Das Dores

Ter dores de dentes do ciso é amaldiçoar alguém. É ficar com boca toda trilhada do lado dente. É cuspir sangue e afins. É tomar Clonix e Voltaren só para não ter dores. É pastilhas, montes delas. É comer cereais quase moles e puder comer sobremesas cremosas.
Mas antes dores de dentes do que de ouvidos.
 
 

terça-feira, novembro 25, 2014

Da história da Anita


Hoje é aquele dia em que me sabe bem ter um blogue.
Aquele dia em que me apetece escrever tudo aqui.
Aquele dia em que que me apetece chegar a casa e começar aos pontapés e mandar tudo bem alto para um sítio que eu cá sei.
Aquele dia em que me lembro "há muitas pessoas que conhecem o estaminé e eu não quero que saibam..." e depois eu penso "que se fodam bem alto essas pessoas!".
Basicamente é esse o espirito hoje.

Depois lembro me da Anita.
Hoje sinto me a Anita "A Anita faz, a Anita resolve, a Anita é boa, a Anita ajuda.".
Hoje sinto me assim.
Cansada e farta.
Tudo e nada.

Preciso de férias. Bem longe.
De uma semana, sem telemóvel, com acessos mínimos a tudo.
Preciso de paz, de tranquilidade.
De um bom livro.
De um bom chocolate quente.
De amor.
De uma boa noite de sono.
De uma boa série.
De um bom abraço.
De um bom beijo.
De uma boa cama.
De uma boa almofada.
De uma corrida.
De um jantar de amigos.
De jantares longos.
De tequila.
De caipirinhas e marisco.
De sorrir.
De tudo isto e muito mais.

sábado, novembro 15, 2014

Saudade

Saudade... Não sei muito bem do que mas até sei. 
Saudade de várias coisas. 
Saudade de tudo.
Saudade de algo.
Saudade de pequenas coisas.
Saudade de ter esperança.
Saudade de ter sonhos e se realizarem.

quarta-feira, outubro 29, 2014

Não há muito a dizer

 
A teoria que eu devo ter andado a matar gatos à paulada numa outra vida, não apareceu por acaso. Não foi porque num belo dia acordei e lembrei-me.
Devem ter sido muitos gatos, mesmo. Devo ter sido mesmo má e horrível.
 
Mas não era sobre isto... era mesmo sobre tudo o que eu queria escrever.
Tudo não sabendo muito o que é.
O que será.
O que poderá ser.
O que pode levar alguém a deixar de acreditar só porque sim.
O que pode levar alguém apenas a deixar de querer saber.
O que pode levar alguém a deixar de estar bem e a querer estar mal.
O que pode levar alguém a não se interessar mais.
Isso tudo.
Pois isso tudo, que neste momento para mim é o meu tudo.
É o meu tudo que me magoa e que me faz doer a cada minuto.
 
Mas isso sou eu, que andei a matar gatos à paulada numa outra vida.
Mas nunca interpretem a minha não resposta como não querer saber.
 
Mas apesar de tudo continuo sempre a insistir em ser feliz e em fazer os outros felizes.

quarta-feira, outubro 15, 2014

Das coisas que (ainda bem) não são hereditárias

Eu tenho um problema muito sério sobre pessoas que acham que tem sentido de posse sobre outras coisas e/ou pessoas. Tenho problemas com a palavra "é meu", "não dou porque é meu". Basicamente tudo o que envolve o sentido de posse a mim mete me nojo. Mas é um problema meu. Faz me lembrar os meninos aos gritos com a língua do lado de fora "é meu! Larga!" E não, infelizmente não é hereditário. Se me dissessem que eu era adoptada, eu ficava feliz, tudo começava a fazer sentido.

E eu tenho boa memória. Principalmente para o que me da jeito, tenho demasiada boa memória. 

quarta-feira, outubro 08, 2014

Do Cabelo Ondulado

 
Ter cabelo ondulado é todo um novo mundo. A sério que é.
Ele é um novo shampoo para o cabelo para hidratar os meus caracóis mais lindos e mais fofos, um novo condicionador, uma nova espuma.
Não me tinha lembrado disso. Mas lembraram-me.
Produtos mais cheirosos, fofos e mais bonitos, tudo para hidratar os meus caracóis mais bonitos, para ficar ainda mais linda e perfeita!

segunda-feira, setembro 22, 2014

Desta Noite


Esta noite sonhei convosco.
Acordei numa aflição sem explicação.
Sonhei contigo que tantos abraços me deste. Que me adoravas.
Sonhei convosco na semana em que faz anos que um de vocês faleceu.
Mas foi um sonho triste. Um sonho em que estavas morto. Um pesadelo, portanto.
E tu não me reconhecias quando morreste, não sabias quem eu era.

E esta semana faz 11 anos que perdi a minha última avó e assim fiquei sem avós.

quarta-feira, setembro 10, 2014

Do que preciso


O cansaço, a falta de horas de sono, a corrida diária. 
O que preciso? 
Paz e sossego. 
De descanso. 
De tranquilidade. 
De não ouvir nada. 
Apenas a água. 
O som da água. 
De uma música. 
Do cheiro. 
De bolos quentes acabados de fazer. 
De croissants quentes.
De limonada. 
De gelados. 
De sorrisos. 
De jantares de amigos. 
De beijos. 
De sorrisos escondidos. 
De olhares cúmplices. 
De uma manta. 
Preciso resumidamente de férias. 
E de ti.

segunda-feira, setembro 08, 2014

Das Bimby's


Mas como assim estaaaa tudooooo maluco pela Bimby? Porque a Bimby é tipo a 7.ª maravilha encontrada. 
Depois eu começo a imaginar a Bimby nova num canto do ringue  a levar pancada da Bimby TM 31, enquanto ainda esta a levar pancada  dos anti-Bimbys porque segundo dizem não recompensa o valor pago. Aviso desde já que recompensa e é bastante útil, mas eu sempre continuei a usar tachos e essas coisas. Poupa tempo, principalmente para quem trabalha.

Mas apesar disso, começo a achar que a Bimby começa a atrapalhar a cabeça destas pessoas. E eu tenho Bimby.

Textos Perdidos (#11)


Deste me como garantida, continuas me a dar.
Avisei te.
Acomodaste te.
Não queres saber.

E eu também não quero.
Já quis. Já tentei mudar. Já te ajudei. Fartei me. Não quero saber.
Quando deixaste de querer saber de mim, foi esse dia.
Eu disse te várias vezes quando eu deixar de me preocupar é que tens de te preocupar.
Hoje foi esse dia.
Já devia ter sido à mais tempo. Não foi.  É agora.

Porque já não é amizade, já não é nada.

Escrito em Maio de 2014

(Este texto já devia ter sido publicado em Maio. Já vai tarde, estava guardado nos rascunhos, mas segue hoje. É algo que já acabou e já não interessa nada.)

terça-feira, setembro 02, 2014

Das coisas que se passam


O ser descartável não é bom.
Usarem te como algo descartável não é agradável.
Usarem te como algo que não está bem e o adeus também não é bom.

Mudamos de 8 para 80.
Mudamos sem saber muito bem o porque.
Mudamos porque as pessoas não sabem enfrentar os problemas e serem felizes.

Ou talvez não queiram saber.
Ou talvez até queiram mas não saibam como pedir ajuda.
Vou continuar a acreditar que é a última. Só porque mereces e porque acredito.

E sim, continuo a ver as coisas pelo copo meio cheio, sempre.
E sim, continuo acreditar, sempre.

Mas está é a minha mania de acreditar em sonhos e finais felizes, desculpa.

sábado, agosto 23, 2014

Contigo


Não sabia que era possível ser feliz.
Não sabia que era possível ter alguém que me entenda tão bem.
Não sabia que era possível não haver palavras que o descrevessem.
Não sabia que era possível que me digam "eu conheço te tanto bem" e saber que é verdade.
Não sabia que era possível preocupar me tanto contigo.
Não sabia que era possível depender tanto da tua felicidade.
Não sabia que era possível gostar tanto de ti.
Mas é... Contigo tudo isto é possível e muito mais.
Contigo coloquei tudo numa perspectiva diferente. Contigo sai da minha zona de conforto. Contigo sou feliz.

Posted via Blogaway

sexta-feira, agosto 15, 2014

Da Simplicidade


Gosto de coisas simples e bonitas. Gosto de pessoas felizes. Gosto de sorrisos. Gosto de pessoas que apesar de tudo, acreditam que podem ser felizes.

Porque na simplicidade das coisas, na simplicidade da felicidade, está um mundo. Um mundo novo com esperança, alegria e sorrisos.

quinta-feira, agosto 14, 2014

Não compliquem, o que não tem complicação!


Não compliquem o que não tem qualquer hipótese de complicação.

Se estão apaixonados, contem.
Se querem ser felizes, digam. 
Se acharam que encontraram que vos possa fazer feliz, sejam sinceros.

Eu sei que tenho a mania de ver tudo pelo lado bom (apesar de me terem tentado ensinar o contrário e ainda tentarem) pelo lado do copo meio cheio. É uma questão de opção. Posso pensar que me aconteceu isto e aquilo ou posso pensar que vou aprender com isso e melhorar. Posso optar por ouvir músicas lamechas, mas também posso ouvir músicas que me fazem sentir bem.
Se precisam de alguém para serem felizes, digam. Não pensem nos ses. Façam.

Posted via Blogaway

quarta-feira, agosto 13, 2014

Não podes, mas vais tentando


Tu não podes ajudar quem não quer ser ajudado. Apenas isto.

Tão simples como isto.

Nada mais que isto.

Mas mesmo assim continuas a tentar. Já começa a ser estupidez.

Como me sinto


Vou vos explicar como me sinto. Sentada num canto em um quarto escuro. Esse quarto tem um candeeiro pequeno com alguma luz, muito pouca. Nesse quarto, há cacos espalhados, muitos. Sentimentos, mágoas, tudo espalhado pelo quarto, tudo partido. E eu continuo a chorar naquele canto. A chorar baixinho para ninguém me ouvir. Mas a realidade é que quero que tu ouças. Só não sei quem és tu. Que abras a porta. Que entres. Que vás apanhando os cacos e que me dês esperança. Que me limpes as lágrimas com a mão e me digas "vai ficar tudo bem... Estou aqui para ti, agora e para sempre". No fim começo a sorrir, das me a mão e ajudas me a levantar. E ambos acendemos as luzes. É assim que eu me sinto. É isso que eu quero.

(este texto foi escrito originalmente por mim a uns tempos atrás. Colocado, num outro blogue meio às escondidas.)

Posted via Blogaway

terça-feira, agosto 12, 2014

Dos Porquês e das Dúvidas


Olá bom dia, 
O meu nome é Sissy e sou a menina dos porquês. Gosto de explicações. Gosto de saber o porquê das coisas. Não gosto de meias em nada. Se não gosto de meias de leite, porque é que hei de gostar de meias palavras?! Gosto de entender. Adoro perceber. Tudo tem um motivo. Tudo tem uma explicação. Se não me a queres dar é porque és um idiota. Mas isso infelizmente já não é novidade. 
Tudo tem um porquê. Sabes porquê? Porquê eu quero, porque preciso de saber, porque tu precisas de me contar, porque só assim é que eu vou tirar dúvidas. Só assim eu vou ficar esclarecida. Só assim é que eu posso ter a certeza de que aquilo  que eu penso pode ou não corresponder aquilo que é. Porque os porquês são incertezas. E eu odeio incertezas.

segunda-feira, agosto 11, 2014

Adeus


Não faço a mínima ideia de como tens passado e sinceramente também não quero saber. Todos nós temos bagagem e tu és a minha. Assim uma mala para lá de pesada. Que nem eu às vezes consigo carregar. Mas vou tirando as peças. Assim devagar, vou tirando. Incrível como nós os dois parecíamos conjugar... Através de um bom dia eras capaz de dizer "o que é que tens?!", deves ter sido a segunda pessoa do qual mais falei sobre o tema que mais me magoa: a minha mãe. Ouviste me, chorei e tiveste lá. Não podias também dizer muito, mas ouviste e tentaste perceber. Uma vez atendi o telefonema de um colega meu, tu ouviste a conversa "Tu não gostas mesmo dele... É porque se falasses comigo, como falaste com ele, já não falávamos" e rimos nos. Contigo não conseguia estar mal disposta. Ria-me imenso quando falávamos. Entendiamos mos nos para lá de bem. Parecíamos duas peças de um puzzle. Parecíamos... Porque não somos. Vieram as mentiras. A dor que sentia. O desespero por não te ter. Veio isso tudo. E isso não supera as partes boas. Não porque não quero. Porque não pode. Porque não consigo admitir. Porque não quero. Porque não vou deixar. Porque quando me disseste "não penses, vamos ver no que isto vai dar..." deixei todas as barreiras no chão. Foi como se eu até aquele dia tivesse tido um muro à minha volta... com essa frase tiraste esse muro. Tiraste tudo.
Antes disso criticavas me abertamente sobre eu não falar, que eu não falava, não comentava, não conseguias tirar nada de mim, que eu era orgulhosa. Neste momento sou tudo isso e muito mais. Não falo, posso estar aqui quase a entrar em desespero e tentar saber o que a outra pessoa pensa, mas o orgulho fala mais alto. Quando tento dar baixa do orgulho... Até se me dá a volta ao estômago. Não consigo, tento mas não consigo. Contudo, ambos erramos. Não sou santa, nem o tento ser. Peço te as minhas sinceras desculpas, por tudo onde errei contigo.
Isto tudo para te dizer, que não sou parva, nem idiota. Não me vou fechar, porque aquilo que me fizeste não merece isso. Nem ninguém merece se fechar. Desejo te sinceramente, que sejas muito feliz, mas longe de mim. Que não sou parva o suficiente, para acreditar que não há ninguém melhor que tu. Porque se correu mal tinha que correr. Porque se correu mal é porque não eras para ser tu. Porque me podias completar, mas haverá por aí alguém que certamente me irá completar melhor que tu. 
Porque se eu sempre critiquei aqueles que vivem do passado, porque é que eu tenho que ser uma dessas pessoas?! Não tenho.

quarta-feira, julho 30, 2014

Do Chorar e da Esperança


Estar quase a chegar ao limite, quer fisicamente, quer psicologicamente. Estar preocupada não comigo, mas com quatro animais. O estar cansada de chorar. O já não ter forças. O ter aquela dor irritante no fundo das costas, quando ando mais nervosa. O andar desgastada. O querer que eles sejam felizes e não ter quem me ajude. Mas sei  que há pessoas que estão a tentar, mas infelizmente não estão a conseguir. E é até amanhã. Até amanhã isto tem que estar resolvido. Só não sei como. 

terça-feira, julho 22, 2014

Das Coisas


Não há coisas. Existem coisas, sem explicação. Não há coincidências, pelo menos eu não acredito nelas. Há trabalho, esperança, dedicação, esforço, prazer e glória. Há isso tudo. Mas tens que chegar ao momento bolha. Ao momento em que estás na tua bolha, onde te sentes bem lá dentro. Onde te sentes feliz. Onde te sentes em paz com tudo o que te rodeia. Onde tudo parece ser minimamente feliz. Onde trazes apenas quem te interessa em número reduzido (uma mão chega... se sobrar não há problema). Onde quem está contigo não é preciso que abras a boca para saber o que estás sentir. Simplesmente, já te conhecem. Simplesmente, isso. Mas esse simplesmente é tudo e mais alguma coisa. Mas isso não quer dizer que tudo seja perfeito. Porque não é. A beleza das coisas esta na sua imperfeição. Na sua falta de jeito, da sua necessidade de carinho, na falta de um abraço mais apertado.

Posted via Blogaway

quarta-feira, julho 09, 2014

Do Orgulho


Ser orgulhosa é uma merda. A sério que é.
Faz nos querer questionar o porquê, o querer saber e mesmo assim, nada! É o orgulho!
Faz nos só pedir ajuda nas últimas.
É parvo, é irreflectido, mágoa.
Mas não interessa, usa se a desculpa do orgulho e fica tudo bem.
Mas não fica porque eu não fico.

quinta-feira, julho 03, 2014

Não sejam maus para a Sissy


A Lili adora a gatos. A Sissy adora gatos e adora a Lili. Mas a Lili é uma fofa e a Sissy também. Portanto, a Lili tem que vir ao Alive. Porquê perguntam vocês? Porque eu adoro a Lili e a Lili adora gatos. Portanto, vocês que já me seguem à quase 10 anos, alguns à menos, vão ser uns fofos e vão aqui votar na Lili. Porque a Lili é fofa e não têm mau feitio.

quinta-feira, junho 26, 2014

Das Entrelinhas


Não consigo ler nas entrelinhas. Confesso que sou burra, burrinha neste filme das entrelinhas. Do perceber,  do entender. Mas o problema é meu. [Óbvio, havia de ser de quem?] 
Mas isso sou eu que odeiooooo profundamente meias palavras, meias frases, o tipico do "ou fodes ou sais de cima?!". Mas isso sou eu. Eu tenho essa limitação. Grave. Gravíssima, direi antes! É todo um drama digno dos filmes antigos dos anos 80. Mas isso sou eu. Tenho essa limitação.

quarta-feira, junho 25, 2014

Da teoria de que eu sou um icebergue


Vais abaixo durante precisamente 142 minutos. Choras, esperneias, entras em pânico, berras, gritas. Fazes isso tudo... E levantas a cabeça. Levantas e pensas. Procuras e encontras soluções. Pedes ajuda a quem tens que pedir. Consegues ver o lado positivo de tudo, depois de terem invadido o teu espaço privado, sem qualquer autorização. Pensas e vês. Mas isto tudo depois de teres arranhado os joelhos, teres batido com o nariz no chão, teres partido a cabeça, teres perdido a esperança. Durante 142 minutos. 
Depois acabou.

Posted via Blogaway

sexta-feira, junho 20, 2014

Coisas Minhas (#02)


A pedido desta menina e de um projecto relacionado com a Psoríase e sobre o desconhecimento sobre saiu este texto, assim com ar... meu! 

"Ah.... A psoriase essa coisa maravilhosa que eu tenho... e irritante. 

Diagnosticada em Dezembro de 2009, mas não aceite por mim. O principal motivo: eu Sissy Maria não podia ter psoriase. Porquê? Porque não podia ter!!! Não é assim tãoooooo difícil de perceber, pois não?! Como gosto de saber o porquê e tudo mais sou teimosa e procuro um segundo diagnóstico que foi confirmar o primeiro. Aí já mais aceite... 

A Psoriase faz me lembrar uma doença psicológica. Porquê? Porque tem tudo a ver com o nosso psicológico... e com o tempo. Tendencialmente quando está assim mais húmido, chuva (para aí de Outubro a Abril) as crises aparecem. Oh se aparecem... Parecemos umas espécies de nuvenzinhas andantes, se não for feito o tratamento (já lá vamos a essa parte...)

Em pleno exame de condução, em Maio de 2010, lembro me de ter levado uma blusa bege. Estão a ver a cor bege? Exacto... Parecia branca. Pequenas partículas em cima dos meus ombros, tal não era o meu estado de nervos e de ansiedade. 

Outro problema... Eu sou stressada de natureza, ando sempre a 1000 à hora, a fazer não sei quantas coisas ao mesmo tempo. Nas alturas em que ando pior... senhores, nem vos digo nada para não assustar. É toda uma outra dimensão... 

Praia e sol é o tratamento mais natural. Esta é a parte boa... Usar a psoriase como desculpa para ir apanhar sol. Acreditem, ainda há pessoas que "ah e tal... Então já que pedes vamos...". Não vamos falar do cheiro a alcatrão dos tratamentos, pois não?? O que me faz mudar a fronha da almofada, todos os dias e a pensar em coloca la em lixívia. E daqueles que deixam o cabelo oleoso que parece que acabei de sair de uma frigideira de batatas fritas? E aqueles que nos fazem chorar devido à quantidade de álcool que possui? Com muita pena minha, não é Tequilla. É que sempre dava para outras aventuras. Depois os famosos peixinhos come come (é o meu nome fofo para eles!). Existem ao pé de mim no Jardim da Amoreira em Odivelas se já experimentei? Não. Se estou a pensar... sim. Porque não agora?! Simples... É Verão e não preciso de andar preocupada com tratamentos. 

Outra coisa se ainda se aperceberam (também não disse é verdade) o meu principal problema é no couro cabeludo. Também já tive um episódio no corpo... ao qual sou alérgica ao único creme que me faz efeito. Ahh e nas piores alturas dá me para chorar quando passo água pelo corpo.

Não sei se sabem, mas ter psoriase é considerado luxo. Medicamentos taxados a 23%. Sinto me muito melhor por ter uma doença sem cura, que é considerada um luxo. Um privilégio, talvez? 

Portanto... Paizinho, podia ter herdado muita coisa de ti: mas psoriase?! (sim, também é hereditária, ou não, esssa parte ainda não percebi...).  

Passados quase 5 anos a moral é esta: tenho psoríase, que não tem cura, mas pode ser controlável. Podemos continuar a usar espuma no cabelo (também era melhor!!!!!) e fazer aquelas coisas de gaja que fazemos quando vamos ao cabeleireiro. Não se pode passar secadores e preferencialmente água fria. Mas aqui eu não sirvo de exemplo porque habitualmente tomo sempre banho de água fria. 

Há alturas que me fazem querer cortar os pulsos é verdade. As pessoas nem sempre são simpáticas. Criticam abertamente porque pensam que é outra coisa qualquer. Não conseguem ter o discernimento de perguntar directamente. Prefiro essas, aquelas que perguntam abertamente, sem medos e sem rodeios (já me aconteceu em entrevistas de emprego)."

sexta-feira, junho 13, 2014

Vive




Vive como se fosse o último momento,
Acredita com toda a tua força,
Anda pela areia sorri e agradece,
Sê feliz.
Não acredites em tudo,
Mas acredita no que te faz feliz.
Ambiciona sempre por algo melhor.
Se te fez mal nunca vai ser bom porque se te fez mal tinha como objectivo de magoar.
Se te fez mal desiste, avança.
Se te faz bem... Não penses. Age!
Sê simplesmente uma coisa.... Feliz.

Posted via Blogaway

segunda-feira, junho 02, 2014

Das coisas que dizem (#01)*






Adam Liam está em Portugal. Provavelmente não devem saber quem é, assim só porque sim. Eu também não sabia.. Tive que ir procurar e depois "ahhhhhh..... és tu!!!!". Portanto é o cozinheiro, que ganhou o Mastercard Austrália, se não me engano o primeiro que passou em Portugal.

O senhor está em Portugal, veio experimentar os nossos petiscos, pratos tradicionais, doces e por aí fora.

Ficou encantado com os nossos pastéis de nata, entre muitas outras coisas... 
Inclusive o nosso Arroz de Pato. Por mim óptimo, perfeito. O senhor comeu, o senhor adorou. Postou essa foto no facecoiso.... E não é que há uma alma que diz que ele podia ter provado um outro arroz qualquer, inclusive Grego, que ficaria melhor servido.
É mais ou menos isto: alguém que se diz português, sugere comida de outro País. Se ele quiser também lhe sugiro um excelente restaurante indiano, ali na baixa e também pelo caminho um, segundo dizem, para lá de bom em cascais de comida americana.
Mas se vais a Roma, sê Romano. E se não tens nada de útil a dizer... Cala-te!

*isto vai dar uma rubrica para lá de gira!

sábado, maio 31, 2014

Spoilers


Se vêm The Vampire Diaries, the Good Wife ou Scandal e são alérgicos a spoilers, não continuem. Se continuarem, olhem eu avisei!

Depois da morte do Will na série The Good Wife e da morte do outro em Scandal, agora não é que o Damon de The Vampire Diaries bate as botas?! O Damon?!?! A sério?? Mas que pouca vergonha é esta?! O homem bate a bota e agora vamos ficar à espera de saber se o homem ressuscita ou não. Oh meu deus! Como é que vou aguentar até Setembro?! Expliquem me!!!! Estou eu para aqui em pânico desde a parte da tarde, terror absoluto, para saber se acontece assim alguma coisa de extraordináriooooo, como acontece naquela série, para saber se ele ressuscita ou algo do género. Vocês matam me o homem e eu não sei o que vou fazer!

Posted via Blogaway

Dos novos pais

Ontem fui jantar fora a um restaurante que pessoalmente adoro e que não é propriamente barato. Para comer marisco não há melhor. Aí que é gambas, amêijoas, vieiras gratinadas, sapateira, búzios, percebes e outras coisas tão boas que nem consigo explicar.
Mas não era mesmo sobre isto que vinha falar.... Numa mesa mais à frente uma pequena com pouco mais de 9 anos consegiu passar um jantar todoooooo a mexer no telemóvel. Não sei se estava com mais vontade de mandar um estalo à miúda ou aos pais. Eu sei que nos meus tempos não havia cá nada dessas modernices de telemóveis e tablets. Já ter uma cassete para ouvir uma musiquinha ia com muitaaaaa sorte. Eu sei disso. Mas os meus pais (esses seres maus que só eles!!!!) preferiam falar com os filhos (esses malditos! Que raio de educação essa a dos meus pais! Uma vergonha!!!!) falar sobre o dia de trabalho e o dia da escola. E a miúda passa uma refeiçãooooo toda a mexer no telemóvel e a colocar comida na boca. E os pais não dizem nada. 
Ainda hoje se mexo no telemóvel, enquanto estamos à mesa e tenho o azar de não ser nada urgente, lá vamos nas orelhas. Também não acho muita piada... Quando vou jantar fora lá se faz um check-in, mais uma foto do prato e mais um instagram. E já está. Telemóvel para o canto.

Ah, já agora podem ir ao instagram e procurar por kuaresmaa. Sou eu.

quarta-feira, maio 28, 2014

Tempo e este blogue


Os posts que vão aqui vendo são escritos na sua grande maior parte no telemóvel (como este) numa aplicação linda, linda que só ela: o evernote. Esta verdadeira aplicação maravilha têm servido para escrever textos, enviar directamente para o meu email e publicar com imagens quando tenho um computador. Isto porque o tempo é escasso, curto mesmo, para me sentar à frente de um computador e escrever algumas palavras. Portanto, normalmente de manhã é quando me dá para isto, no caminho para o trabalho. Depois temos outras duas aplicações maravilha que é impossível não adorar: o bloglovin e o blogaway. O primeiro têm a minha listagem de blogues que adoro que vou seguindo e leio todos os dias (sim é verdade tenho andado em modo escondido... Mas sei o que andam a fazer!). O segundo o blogaway para publicar posts. Fácil, simples e lindo. Como gosto. Não dá para grandes aventuras mas chega para o que pretendo.
Isto tudo para dizer, que prevê se que seja desta o regresso. Como podem ver têm havido alguns posts, nada de extraordináriooooo, mas tem havido. Mas vamos fazê lo.

(e se vocês soubessem aquilo que eu tenho guardado sobre o meu BFF...)

segunda-feira, maio 26, 2014

Não gosto

Não gosto de pessoas que acham que são donas da razão.
Não gosto de pessoas que acham que podem opinar sobre a vida das outras pessoas, só porque sim.
Não gosto de pessoas que magoam porque é muito bonito.
Não gosto de pessoas que não sabem pedir descuulpa.
Não gosto de pessoas que falam só por falar. Se não sabem o que dizer: calem-se!
Façam um favor a vocês mesmos! Juro que não dói nada! Pensem um bocadinho assim "o que gostaria que me fizessem se fosse ao contrário". Exacto, portanto, não custa nada! Ficar calado e não opinar sobre aquilo que não vós foi pedido

domingo, maio 25, 2014

Das Caixas de Comentários

As caixas de comentários de jornais, artigos de opinião e blogues fazem me lembrar um monte de pessoas mal educadas.
O destilar de ódio, o ter razão porque tenho que ter, o não saber respeitar as opiniões dos outros e claramente ofender, fazem me lembrar um bando de idiotas repugnantes que não tem qualquer tipo de educação. "Heróis" de teclado que ofendem claramente as outras pessoas, onde só apetece descer ao nível deles, mas não... Mantém se o nível e a boa educação. Suponho que devam ser os mesmos que mandam a mulher ir buscar cervejas enquanto estão a ver a bola e que andam à procura de trabalho e enviam 1 currículo por semana.

sábado, maio 24, 2014

Eu bem que tento


Pessoas, eu não gosto de coisas que toda a gente gosta. Ponto. Não há aqui nhos nhos nhos. Não gosto. 
Aquele gelado de bolachas caramelizadas que se faz na bimby, "tão bom", "cheguei ao céu dos gelados", "nunca comi coisa tão boa". A sério? Nunca comeram nada melhor? Então não sabem vocês o que andam a perder, meus amigos. A sério! Experimentem sei lá... Um chessecake de morango! Um São Marcos! Um pão de deus quente acabado de sair do forno! Isto para só falar de coisas doces e gordas. Se fosse a falar do resto.... Estava aqui até amanhã de manhã. Eu juro, não sei porque é que insisto, em pensar que se a malta gosta a Sissy também deve gostar. Não. Mentira. Impossível. Que coisa mais enjoativo e ainda eu cortei no doce. 
 Portanto, tenho ali uma taça de gelado no congelador, para quem quiser vir buscar....

quarta-feira, maio 21, 2014

50 coisas que talvez não saibam sobre mim


1 - Tenho mau feitio. 
2 - Só gosto de tomar banho à noite. 
3 - Tenho bursite. 
4 - Tenho tanto de má como de boa. 
5 - Tenho psoriase.
6-  Uso unhas de gel por gosto, mas também porque faz com que não tenha tanta tendência a coçar o couro cabeludo por causa da psoriase. 
7 - Odeio profundamente a Shakira. 
8 - Odeio profundamente o Leonardo Dicaprio. 
9 - Adoro NBA e sou fã dos Miami Heat. 
10 - Odeio fast food. 
11 - Adoro perdidamente chocolates e gelados. É a minha tentação, a minha perdição. 
12 - Tenho 1,75m e adorooooo saltos altos. 
13 - Só me sinto bem a trabalhar de saltos altos. 
14 - Adoro marisco. 
15 - Adoro receber os meus amigos em casa. 
16 - Quando estou mais stressada a única coisa que me acalma é cozinhar. 
17 - Adoro ler. 
18 - Sofro de insónias, sendo que é habitual estar dias em que durmo 45 minutos por noite. 
19 - Adoro vozes femininas. 
20 - Não tenho um tipo de música preferido, mas adorooo jazz. 
21 - Adoro fazer festas surpresas, mas nunca me fizeram a mim (mas também nunca iam conseguir... porque desconfiada como sou...).
20 - Consigo perceber se gosto da pessoa apenas pela voz.
21 - Conseguem se aperceber se eu estou bem ou mal apenas pela tonalidade da minha voz.
22 - Não tenho problemas em falar em público.
23 - Adoro o Natal, pareço uma criança numa loja de brinquedos.
24 - Adoro praia.
25 - Só gosto de tirar férias em Julho e em Setembro.
26 - Adoro trabalhar em Agosto.
27 - Sempre disse que nunca me ia casar. Ainda não me casei. 
28 - Adoro gatos. 
29 - Gelados no Inverno, adoro!
30 - O cheiro a sardinhas e a carapaus faz me lembrar a minha infância, na terra dos meus pais.
31 - Decotes, adoro. 
32 - Brincos, não sabia que era possível ter tantos.
33 - Gosto do som da chuva.
34 - Tento sempre ver as coisas pelo copo meio cheio.
35 - Tento contagiar as pessoas sempre com a minha boa disposição.
36 - Quando não sei o que vestir: visto preto e branco. Não tem nada que enganar.
37 - Cadernos, canetas, post-its e essas coisas: adoro. 
38 - Novas tecnologias, apaixonada por.
39 - Com o meu telemovél faço tudo.
40 - Sou trapalhona e riu-me tanto disso.
41 - Sou católica, acredito na minha religião, mas não sou capaz de acreditar em tudo.
42 - Já dei catequese e tenho tantas saudades.
43 - Já andei nos escuteiros.
44 - Quando me juntei fui convidada a sair da catequese e dos escuteiros.
45 - Mudei de casa á uns anos, porque já sabia que o meu ordenado ia baixar.
46 - Adoro comprar sapatos, mas calço o 42.
47 - Se não sabem o que me oferecer: ofereçam me a vossa presença quando vós convido.
48 - O meu pai... é tudo para mim.
49 - Viciada em cafeína.
50 - Acredito que podia ter morrido no último acidente que tive.

sexta-feira, maio 02, 2014

Paciência (coisa que eu não tenho)


Eu podia ser uma pessoa com paciência. Mas não sou e nem ambiciono ser. 

Não é aquela coisa que... 

Não faz parte de mim, nem pretendo que faça parte. 

Não é aquela coisa que eu possa dizer que "ah e tal gosto"

Não gosto. Não penso nisso, nem quero saber. 

Contudo, as pessoas vivem nessas mentira de que eu realmente sou uma pessoa com paciência, com calma e tranquila. Desenganem-se é mentira. 

terça-feira, abril 29, 2014

Aquele momento


Aquele momento... em que até um determinado ponto vias as coisas pelo copo meio cheio. ´
Aquele momento... em que até acreditavas que.
Aquele momento... em que te lembras do que realmente pensavas que estava enterrado.
Aquele momento... em que só me apetece  enfiar na cama e dormir.


quinta-feira, abril 24, 2014

Do Sono (#02)


Alguém próximo de dia achou boa ideia tirar-me horas de sono. Se eu já não sou pessoa de dormir muito, agora acho que vou definitivamente deixar de dormir.  

Não porque tenha ficado chateada com a opção ou qualquer coisa semelhante. Apenas sei que vou ficar extremamente preocupada enquanto não receber uma chamada todos os dias.

Que tudo corra bem e vai correr. Porque tem que correr e porque sei que é algo que ele quer muito e precisa. As minhas horas de sono serão retribuídas de outro modo, com a alegria nos olhos do meu pai. 

terça-feira, abril 15, 2014

As Insónias


As insónias é uma coisa que tenho. Talvez até crónica, vá se lá saber. Começaram com maior intensidade à cerca de 10 anos. Contudo, em pequena também já tinha dias seguidos em que não dormia e que aterrorizava a malta lá de casa. Não tem a ver com qualquer problema psicológico, sabe se lá do que. Não tem a ver com ansiedade. Também não tem a ver com qualquer outra coisa que eu me esqueci de referir. São coisas que acontecem. Nem tudo tem a ver com uma qualquer explicação Freudiana, nem tudo tem a ver com psicologia. 
Para que conste, antes do "aí e tal Coitadinha", pois não.... Só custam as primeiras 24 horas e os momentos mais mortos... a partir daí.. não custa nada. Às vezes as coisas são apenas como elas são sem dramas, sem problemas. Apenas não durmo à 4 noites, ou pelo menos o tempo que durmo nunca é superior a 2 horas, por noite. E é apenas isso. O habitual. Nada de novo.

quarta-feira, abril 02, 2014

Apenas Eu


Parece que pela primeira vez acertaram nestas coisas.

"Elas não param de falar, nunca. Sabem falar sobre todos os assuntos e conversar com elas nunca é monótono. Pelo contrário, é encantador. São sinceras e não fazem comentários por maldade, apenas dizem o que pensam. Tendem a ser aquele tipo de mulher que acreditam em todos e que acham que a vida é perfeita. Não existem pessoas más para as librianas. Talvez seja esse um dos motivos que as levam a se decepcionar tanto. Acreditam e confiam demais nas pessoas. Chegam a ser até meio sonsas. São tão educadas em impor suas vontades que ficamos até sem graça de dizer um ''não'' a essa mulher. Indecisa? Eu? Claro que não. Vou escolher oh.. Me ajuda, esse ou esse? Ou aquele? Ou.. Essas são as librianas. Indecisas. Mas jamais digam isso a ela se não quiserem ver uma mulher irritada! Bondosas, delicadas e justas. Até demais."

segunda-feira, março 31, 2014

De Hoje

Faz sentido o tempo hoje estar assim. Faz hoje precisamente 5 anos, que te foste embora. Acho que não houve um único dia que não me lembre de ti, do teu sorriso. Hoje sonhei contigo a noite toda, hoje não sei até que ponto preferia não ter dormido. Lembrar me de ti,  de como seria se tivesses cá. De ti e do meu mano mais velho, como seria se tivessem cá. Mas não estão. Mas lembro me de vocês. Com um sorriso enorme e com esperança que onde quer que possam estar, estão felizes.

terça-feira, março 18, 2014

Perda


Começo me a esquecer da tua cara e da tua voz. 
Começo me a esquecer de ti, das tuas palavras e eu não queria. 

Porquê é que passados quase 5 anos a dor não diminui? 
Porquê é que eu não chorei no dia do funeral? 
Porquê é que só passado 1 ano e 1 mês é que chorei a tua falta, de tal modo que me faltou o ar? 
Porquê é que todos os anos me lembro do teu aniversário e da data em que te foste embora? 

Mas porque é que tu fostes e tanta falta me fazes hoje, amanhã e sempre?

segunda-feira, março 17, 2014

As Pessoas (#02)


Para percebermos determinadas atitudes, formas de estar e respostas de algumas pessoas é necessário entender o contexto da pessoa. As pessoas não fogem às questões porque são loucas ou porque se lembraram.  
Não vamos cair na idiotice de desculpar a maldade das pessoas. Mas há coisas e coisas. 

sexta-feira, março 14, 2014

As pessoas (e eu também)

As pessoas são assim muito estranhas. 
Enchem-se de meias palavras, pretendem que as outras pessoas descubram aquilo que sentem/querem por meias palavras. 
Verdade seja dita, eu também sou assim. Ando ali as voltas, muito as voltas. Mas também sou apologista de que a indecisão paraliza, contem as pessoas de fazer loucuras, mas sabe tão bem fazer loucuras. Daquelas que sabemos que é mesmo uma loucura, daquelas loucuras que sabemos que o acto em si depois pode acabar em algo muito bom. Mas no preciso momento em que fazemos não temos a certeza, do que virá. Apenas a incerteza. Do não ser carne, nem ser peixe. Mas as meias palavras, as meias vontades são boas. Até certo ponto e esse ponto eu não gosto. Aliás odeio, porque dói. 

sexta-feira, março 07, 2014

Perguntas sobre mim (#01)


À uns dias atrás alguém me perguntou o que é que usava para descomprimir, para tirar a tensão. A primeira coisa que respondi... foi nada. A segunda foi, se calhar não é bem assim. Se calhar, até tenho. E tenho mesmo. Não são chocolates, não é açúcar, não é nada calórico. Também não é alcool.
Chegar a casa, ligar as colunas e pôr no volume máximo e cantar enquanto arrumo a casa é uma delas. Não questionem a minha voz, sff. Não há essa necessidade. 
A outra, a minha preferida: conduzir. Mas conduzir, para aliviar a frustação. Conduzir sem destino. Conduzir com música. Conduzir, não propriamente devagar. Sentir o controle. Apanhar a Auto Estrada de Cascais e ir para a praia. O meu escape. Os meus sonhos. 

quarta-feira, março 05, 2014

♥ Music (#08)


Shine 

Paris Nights 

My Songs Know 

Cansaço


Por vezes "batem nos" novamente. Não cansados do que fizeram no passado, tentam de novo. Magoar, rodar a faca e tentar que vamos de novo ao fundo. Como já fizeste. Ontem tentaste, de novo. Mas a diferença de ontem e das outras vezes, é que não conseguiste.

Por isso, cada vez mais, cada dia que passa, sei que fiz a melhor opção.

sábado, março 01, 2014

Dos Erros desta Vida (e dos orgasmos)


"Chegares ao final de um dia, olhares para trás e não encontrares um orgasmo é a prova de que afinal ainda não chegaste ao final do dia. Quando chegas ao final do dia e não contabilizaste um orgasmo tens de esticar o dia, tens de fazer valer o dia: tens de fazer valer a pena o dia. Cada dia tem de ter um orgasmo dentro. Ou mais do que um orgasmo dentro. Cada dia tem de ser um orgasmo de dentro. E se não pode ser o orgasmo do sexo que seja o orgasmo do riso; e se não pode ser o orgasmo do riso que seja o orgasmo da voz; e se não pode ser o orgasmo da música que seja o orgasmo da pele. Se não puder ser um orgasmo: que seja outro orgasmo. Mas que seja orgasmo. Viver só é viver quando é orgasmo. Com corpo ou sem corpo: orgasmo. Viver é a única forma de orgasmo. E o orgasmo é a única forma de vida. Desta e de todas as vidas. Desta que é a tua vida." 

 "O Livro dos Loucos"
Pedro Chagas Freitas

quarta-feira, fevereiro 26, 2014

As Pessoas


As pessoas arranjam motivos para estarem mal, do mesmo modo em que arranjam motivos para estarem deprimidas. Adoram. 
Adoram queixar-se e dizer que as coisas correm mal, que isto e aquilo ou mais aquilo. Basicamente, irrita-me. 
Eu começo pelo essencial, aconteceu isto: mas não estou sozinha. Tenho alguém a quem ligar e para desabafar, para gritar que nem uma louca e depois acabarmos a rir nos. Tenho saúde, portanto o resto conseguimos com mais esforço ou menos esforço. 
Tenho objectivos. Sei muito bem o que quero e para onde vou. Tenho noção disso. Aqui pode ter dois lados, pode ser bom no sentido de ter noção disso, ou pode ser mau... 
Se estou mal, trato me de por bem (apesar de haver dias em que não vai resultar, mas poucos!), se não quero aturar gente estúpida e burra, limito me a respostas mínimas para não me irritar. Porque já dizia alguém sobre mim "tens tanto de boa como de má".

terça-feira, fevereiro 25, 2014

Só porque hoje

Só porque sim.
Só porque hoje realmente não sei muito bem.
Só porque hoje não sei.
Só porque hoje quero.
Só porque devia de ser.
Só porque não é.
Só porque tudo podia, mas foi.

segunda-feira, fevereiro 24, 2014

Como é que se esquece alguém que se amou?!


Não se esquece... Vai passando a memória, a recordação. Vai deixando de ser uma memória que magoa, para uma memória que é recordada raramente. Como? Com temo. Talvez bastante. Bastante, não. Muito tempo. E esperança. Esperança que esse sentimento acabe. Todos temos pessoas que amamos. Eu tenho. Recordo me de uma especial. Amei-a mesmo. Faz este ano 5 anos que partiu. Mas amei-a tanto e recordo me dela todos os dias. Nos dias piores vêm me as lágrimas aos olhos, nos dias melhores lembro me dela com um sorriso, lembro me dela brincar comigo quando era pequena. Lembro me do sorriso dela, de nunca sair de casa sem o bâton vermelho, da força dela, lembro me com saudade, mas lembro me acima de tudo com alegria. Alegria de te ter conhecido. Fazias anos este mês. Corrijo: fazes anos este mês. Corrijo por um motivo simples: porque quem amamos verdadeiramente nunca esquecemos, lembramos nos sempre e permanecem sempre vivos, pelo menos para nós.

segunda-feira, fevereiro 10, 2014

Quem Ama


Quem ama cuida, protege e retribui.

Quem ama dá espaço.

Quem ama é feliz com a felicidade do outro.

Quem ama sonha.

Quem ama preocupa-se.


Quem não ama, faz tudo o contrário.

segunda-feira, janeiro 27, 2014

Das Praxes da Lusófona

Parece que agora é moda ser anti-praxe por causa da infelicidade que se passou no Meco.

Já li tanta coisa que o assunto (o da anti praxe, não das pessoas que perderam a vida) já me aborrece. Sou sincera. Já ouvi que a praxe é uma tradição satânica, que é uma organização secreta, uma espécide de bullying, que quem lá andam são os ignorantes, que a Universidade Lusófona devia de ser fechada, que os meninos andam a brincar com o dinheiro dos pais, que quem anda nessas coisas são atrasados, que são todos aqueles que lá andam um bando de inúteis e coiso e tal.

Para começar: eu andei na Lusófona, fui praxada na Lusófona, e quem me derá a mim voltar a ser caloira na Lusófona. Não percebem? Volto a explicar: adorei as minhas praxes. É muito melhor ser caloiro, do que andar a praxar. A diversão é bem melhor, conhece-se pessoas novas, conhece-se um mundo novo. Um mundo que não têm nada a ver com o secundário, um mundo diferente, de orgulho. O orgulho de ser filha de um pai que me conseguiu colocar na faculdade, no curso que eu queria. O orgulho de ouvir o meu irmão dizer "a minha mana entrou para a faculdade". O orgulho de ouvir a minha mãe ligar para a minha madrinha "a tua afilhada hoje está linda toda pintada" mas no fundo a rir-se de felicidade. 

Há praxes e praxes. Da mesma maneira em que existem pessoas de esquerda e de direita, lagartos, benfiquistas e tripeiros, aqueles que gostam de branco e de preto. Nunca caiam no erro de colocar tudo no mesmo saco. Coisa tão comum e que engana tanto. Se calhar até fui eu que tive sorte no meu ano. Não sei. Das coisas que sempre me foram ditas "podem dizer não quando quiserem, ninguém obriga nada a ninguém". Não me senti humilhada, nem nada dessas coisas. Como disse, se calhar tive sorte.

Das pessoas que morreram, não sei se foi praxe ou não (no entanto duvido, devido ao facto de serem alunos já com a queima das fitas), só sei que se perderam vidas. E é triste. Para os pais, para os amigos, para os namorados/as, para a comunidade de alunos, para a vida. É triste. 

Lembrem-se que isto é uma democracia mas quem manda aqui sou eu. Nada de insultos nos comentários, pode-se discutir o assunto, sem ofender ou ser mal educado.

quinta-feira, janeiro 23, 2014

Paciência


A paciência nunca quis nada comigo. É coisa que não tenho, que têm coisas boas e más. Não tenho paciência para gente estúpida, para pessoas parvas, para pessoas que não tem noção. Não tenho a culpa. Culpem a falta de paciência, pode ser? 

Da mesma maneira, que não tenho a mínima paciência para pessoas que passam atestados de louca e de mentirosa. Do mesmo modo que também não tenho paciência para pessoas estúpidas, sabichonas e coise e tal. Não tenho. Mais uma vez culpem a paciência.

Também não tenho paciência para meias conversas, meias palavras. Se querem, digam. Se querem, façam. Se querem, sejam sinceros. Não custa nada.

quinta-feira, janeiro 09, 2014

Da comida


Preciso de carne, de arroz ou de batatas fritas. Uma francesinha também se comia. Só naquela para não ser muito esquisita mandem me um bife com molho de natas e cogumelos, com arroz e batata frita. Por favor! Ah, pelo caminho por favor tragam-me também uma uma mousse de lima, um chessecake de frutos silvestres ou tablete de crunch. Ou um Risotto senhores! Um Risotto de Alheira, em cama de espinafres com ovo de codorniz em cima. Os Muffins de Chocolate e Laranja também me parecem bem. Ou a minha Lasanha. Ai que vontade senhores. Não se enganem que isto não é fome, é mesmo vontade de comer. Porque fome não tenho nenhuma. Compreendam por favor, ando a sopas e carne branca com alface e 2 colheres de arroz (só duas vezes) ao almoço, fruta, frutos secos e iogurtes. Tragam me comida de dar ao dente, por favor!!!!!!! Até o meu blogue de comida tem passado fome.