sexta-feira, junho 14, 2013


Chama-lhe beleza. Ou então fascínio. Mas é, na verdade, apenas uma espécie de carinho de olhar. Como se os olhos apartassem. Como se os olhos abraçassem. Uma ternura entre os olhos. Como se beijar fosse sem lábios e abraçar fosse sem braços. Como se amar fosse sem tocar. Como se querer fosse sem querer. E é. Na realidade é. Amar é, sempre, sem querer. Quero-te na exacta medida em que não te quero. Quero-te como se quer aquilo que se quer sem querer. Pode parecer confuso. Mas não é. É amor.

3 comentários:

escreve... vá lá... não custa nada... ;)