terça-feira, maio 21, 2013

A paixão

Uma pessoa não se apaixona quando quer. Nem por quem quer. A paixão apanha-nos sempre na curva, mesmo quando a vemos chegar devagar, a fazer cerimónia, como um visitante que passa a porta de nossa casa pela primeira vez. Às vezes vem de repente, sem aviso prévio e nem sequer toca à campainha. Quando damos por ela já está sentada na nossa sala a ver filmes, em pé na nossa cozinha a preparar uma salada e deitada na nossa cama a mandar embora o sono em nome de outros prazeres. Outras, vem de mansinho, um passo atrás do outro, sempre a pedir com licença, se não for incómodo, caso queira estou aqui, e é destas paixões que eu mais gosto, aquelas em que a cerimónia nunca desaparece, em que os amantes apaixonados às vezes ainda se tratam por você, nunca se atrasam, e ele sai sempre do carro para lhe abrir a porta ou para se despedir naquele que nunca queremos que seja o último abraço. As paixões têm sempre algo de arrebatador e de definitivo. De repente e sem querer, damos por nós a fazer planos possíveis e impossíveis, a curto, médio e longo prazo, a imaginar a nossa vida diferente, com muito tempo e muito espaço para o outro, no nosso coração, no nosso corpo, na nossa casa e na nossa vida. O outro, que aos poucos se vai fundindo em nós – e nós nele – ganha uma dimensão quase sobrenatural. Queremos mima-lo, adora-lo, cuidar dele todos os dias. Mas nas verdadeiras paixões há sempre aquela margem de cerimónia e de cuidado; pequenos gestos de respeito e de contenção, ouvir antes de falar, perceber antes de sugerir, conhecer antes de partilhar. E nunca se pede nada porque não é preciso, e nunca se exige porque é feio, porque é indelicado, porque não faz parte da essência. Quem dá sem reservas nunca pensa se está a fazer bem ou mal, se o outro merece toda nossa atenção carinho e dedicação. Dar sem pensar é um dos maiores prazeres da vida; beijos, chocolates, mimos e abraços, o peito e o ombro, a carne e o coração. Mas é preciso saber dosear. Ir dando na medida daquilo que se vai recebendo, às vezes um bocadinho mais, outra um bocadinho menos, para que o outro tenha tempo e ganhe espaço para nos ir dando mais espaço e mais tempo. É uma arte de negociação, mas guiada pela generosidade e combinada com a intuição. Amamos e cuidados dos outros como gostaríamos que amassem e cuidassem de nós. Damos o que sonhamos receber, da mesma forma, ou, como se diz em português do Brasil, do mesmo jeito. Por vezes, quem está mais habituado a dar, tem menos jeito para receber e por isso há que ser levado com tempo, paciência e amor para se ir habituando. Quem sempre cuidou dos outros e nunca dependeu de ninguém, demora a perceber que também pode ser cuidado e que o apego não é um perigo letal para o corpo e alma. E quem sempre fui vigiado e cuidado precisa de tempo para descobrir que afinal também sabe cuidar proteger. As melhores paixões não as repentinas nas quais tudo se fala, tudo se faz e tudo se joga nas primeiras semanas. Essas, cuja vertigem da adrenalina nos faz perder a fome e o sono e mesmo assim sentirmos-nos invencíveis, acabam quase sempre depressa e como começaram, de repente, não mais que de repente. Prefiro as outras, mais serenas e ponderadas, em que cada um vai avançando devagar, com conta peso e medindo, pedindo licença ao outro sem ser preciso pedir, num entendimento tácito de estilo e de intenções. Afinal, quando nos apaixonamos por um livro, podemos devora-lo ou saboreá-lo. O mesmo acontece com uma travessa de conquilhas ou uma taça de mousse de chocolate. Se formos fazendo tudo devagar, às colheres de chá, é tudo muito melhor e mais saboroso. Ter chá faz muita falta em tudo na vida e sobretudo no amor. Um bocadinho de cerimónia poupa muitas discussões e suaviza mal entendidos.

2 comentários:

  1. Existe TANTA verdade no que acabas de escrever.. que chega a doer.

    bj

    ResponderEliminar
  2. Como eu concordo com tudo que esta escrito... As paixões são assim inesperadas e momentâneas.
    Adoro cada frase que não resisti partilhei na minha página.

    Beijinhos*.*

    ResponderEliminar

escreve... vá lá... não custa nada... ;)