quinta-feira, julho 12, 2012

Depois ainda me perguntam porque é que eu prefiro os gatos...


Eu compreendo que nas empresas sejamos apenas um número, uma despesa. Eu compreendo isso tudo. Compreendo também, que existem pessoas mais dadas que outras. Também compreendo. Compreendo também, o porquê, de numa altura de despedimentos, se queiram distanciar dos colaboradores. Agora não podem e não me vão obrigar a compreender, que quando mandam alguém embora, alguém com quem têm uma relação, embora apenas e só profissional, não dizem nada, nem comentam. A pessoa que assina a carta está passados uns dias, com a outra pessoa que mandou embora. A pessoa que assina a carta, simplesmente não faz qualquer tipo de comentário. E a empresa, não é assim tão grande, para não se lembrarem disso! Ninguém sabe de nada. Ninguém diz nada. Ninguém sonhava que a outra pessoa ia ser mandada embora. A chefia directa, também não sabia. A pessoa que supostamente escreveu a carta (sim, porque não é a mesmaa!!!) nem sequer pode dizer alguma coisa devido aos princípios de confidencialidade. Uma autêntica falta de respeito pelas pessoas. 
É que isto até esta fácil para arranjar trabalho e tudo.

3 comentários:

  1. Infelizmente já assisti a muitas situações dessas. O que acontecia, naqueles casos, é que algumas pessoas eram ameaçadas de despedimento caso abrissem a boca. Sim, isto passava-se na empresa onde trabalhei alguns anos.

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente é o que mais se vê... a malta não passa de um número, é triste!
    Espero que consiga logo um emprego*
    :)

    ResponderEliminar
  3. Pois... infelizmente, na sociedade actual, as pessoas são coisas descartáveis... e nas empresas são números, ou melhor 'cabeças' - como o gado! Não é exagero, é um termo técnico, na minha opinião de muitooo mau gosto!

    E vivam os gatos, porque falsos... são os seres (des)humanos!

    ResponderEliminar

escreve... vá lá... não custa nada... ;)