quarta-feira, setembro 21, 2011

[o post que eu nunca quis escrever]*

Existem coisas complicadas, todos nós sabemos. Ainda ontem estava a ver a Oprah sobre os filhos de pais famosos a dizer que preferiam o anonimato, não serem conhecidos como os "filhos dos pais famosos" e que as atenções depois recaiam sobre eles. Da mesma maneira em que por vezes ouvimos o preferia ser pobre. 
Isso tudo é muito bonito, quando apenas sabem um dos lados da história. Por um lado, temos aquelas pessoas que davam tudo para ser conhecidas e depois temos as outras que se esforçam todos os dias para dar mais e melhor a quem amam, e nem sempre é fácil. Por vezes, não conseguem. 

Eu por um lado, preferia a ignorância, não total, parcial. 

Posso dizer que neste mesmo dia em 2004 recebi uma chamada fantástica a pedir para ir repetir um Raio X ao Toráx, porque parecia que tinha tuberculose. Pois... não tinha. Foi um dia, uma semana traumática. Porque levo as coisas ao máximo. Se a culpada fui eu? Claro, que fui. O problema é que não é apenas isso. Não percebi ainda se é infelizmente ou felizmente lembro-me de coisas de que não lembram a ninguém. A roupa que tinha vestido no dia anterior, o que eu tinha feito, com quem tinha estado, lembro-me disso tudo. O tentar não repetir as coisas com o passar dos anos. Evitar determinados caminhos, pessoas e cheiros. Quando andava na faculdade nos dias de frequência usava sempre o mesmo perfume, porque "só assim é que podia ter boa nota". Nunca a frase "vale mais prevenir que remedir" foi usada como um método de fazer aquilo que ia contra a minha vontade. Não é fácil, ninguém disse que o era. É complicado. Existem alturas de autêntico desespero. Não usar sombras novas, porque naquele dia em que usei, aconteceu isto. Não mudar os lençóis ao domingo de manhã quando vou almoçar à casa da minha sogra, porque quando o fiz, aconteceu-me uma coisa menos boa no dia a seguir. Não ir jantar com a minha sogra ao domingo. Só jantar depois das 20h30, porque quando jantei antes, algo se passou. O bater na madeira quando algo de mau nos passou pela ideia.

Com isto, este ano, ganhei coragem, fui falar com alguém. Diagnosticou-me aquilo que eu já à muito pensava que tinha Transtorno Obsessivo Compulsivo. Todos os dias são uma pequena vitória. Pouco a pouco tenho me livrado de alguns rituais, uns mais simples que outros. Com o tempo acredito, que consiga levar a minha vida o mais normal possível, acredito nisso. A verdade é que quando as coisas correm todas as bem, eu nem me lembro da maior parte das coisas, quando as coisas não andam assim tão bem, acontecem estas coisas.

Provavelmente este post mais cedo ou mais tarde irá ser apagado. Talvez porque haverão comentários menos bons, talvez porque queira acreditar que não há nada.

18 comentários:

  1. Oh minha querida, já nos conhecemos blogosfericamente há alguns anos. O passo mais importante é teres procurado ajuda, cada passinho que dês é importante.
    Tendo em conta que és uma mulher forte vais superar isso devagarinho, que nestas coisas cada pormenor é importante.
    Se precisares de alguma coisa diz.

    Um grande beijinho

    ResponderEliminar
  2. O mais importante é que tiveste a força de reconhecer que algo não estava bem e pediste ajuda.
    Um abraço e muita força.

    ResponderEliminar
  3. Só tens de pensar numa coisa: estás a tratar-te e a ser acompanhada, como já te tinha dito.
    Pensamento positivo minha querida e a cada dia que passa, vai tudo melhorar !
    Além do mais, estou aqui right ??? ***

    ResponderEliminar
  4. Procuraste ajuda. Essa foi a primeira grande vitória que alcançaste. As pequenas vitórias que se seguem são os progressos que vais fazer. Por pequenos que te possam parecer, serão sempre progressos.

    Fica bem e FORÇA :)

    ResponderEliminar
  5. Concordo com os cometários a cima.
    Já foste uma vitoriosa por teres reconhecido o teu problema e isso é o passo mais importante que podias ter dado.
    Muita força *

    ResponderEliminar
  6. Sissy só o conseguires escrever sobre isso e teres procurado ajuda já são duas grandes vitórias :)

    Sei muito pouco sobre TOC mas deve ser algo assustador de se passar por isso tudo o que te posso desejar é força para passares toda esta situação ;)

    ResponderEliminar
  7. Para começar, não tens porque apagar o post!

    TODOS temos problemas. Por exemplo, eu tenho um problema de dor e cansaço crónicos. No início ninguém acreditava em mim, agora que se tornou uma coisa conhecida já acreditam!

    Mas fiquei a pensar no TOC, porque tu referes coisas que eu também faço, só que eu considero como superstições... Por exemplo: se estrear uma pulseira e esse dia me correr muito mal, sou menina para nunca mais usar a dita pulseira!

    Mas, comentários à parte, o mais importante é que assumas que tens um problema SEM COMPLEXOS! E ignora quem gozar contigo! Porque "what goes around, comes around" e quem goza hoje, poderá ser gozado amanhã!

    ResponderEliminar
  8. é preciso muita corgaem para carregar no "publicar mensagem" depois de escrever isto. Gabo-te essa coragem, acho que eu não teria essa força! Não apagues o post, é sinal de que, um dia, foste maior que os outros todos... Muita força :) e pelo [pouco] que sei, o TOC consegue ser "controlado", não totalmente mas com pequenas vitórias.

    bj grande*

    ResponderEliminar
  9. O que importa é que lutas para evoluir e resolver as coisas! Força!

    ResponderEliminar
  10. Vai tudo correr bem...os passinhos bem conseguidos dia a dia, são, tudo o que precisas para continuares sempre em frente!!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. O passo mais importante, tu já deste, pois procurares ajuda profissional, assim tenho a certeza que vais conseguir ultrapassar esta doença... Boa sorte, fica bem kisses

    ResponderEliminar
  12. Espero que com um tratamento adequado melhores dessa tua obsessão, contudo o teres consciência da doença já é meio caminho para a cura.

    ResponderEliminar
  13. Não percebo quem poderia deixar um comentário maldoso depois de te expores assim.procuras-te ajuda e isso é o melhor desta "confissão" :) mais cedo ou mais tarde será uma lembrança do passado ;)

    ResponderEliminar
  14. Eu já andei a fazer tratamento para esse transtorno. Existem imensas pessoas com o mesmo, nem imaginas quantas.Quando descobri, através de consultas, fiquei parva. Mas também descobri que não é assim tão grave. É complicado, uma luta contra o nosso próprio instinto, que se consegue vencer com muita força e acreditando em nós. Não é isso que te vai vencer :) força

    ResponderEliminar
  15. Querida Sissy, muitos parabéns! Tenho de te os dar, por três motivos: por teres escrito preto-no-branco o que se passa com milhares de pessoas e que nunca o associam a um transtorno; por teres toda a coragem de o assumir; por teres pedido apoio e todos os dias, conseguires ir um pouco mais longe.
    Parabéns, minha querida.

    ResponderEliminar
  16. Só hoje vi este post... Muita força querida, admitir que se tem um problema é meio caminho andado para o resolver e enfrentar...Beijo*

    ResponderEliminar

escreve... vá lá... não custa nada... ;)