sábado, janeiro 23, 2010

Existem dias assim...


Às vezes as pessoas desiludem-nos. Principalmente quando são próximos. Se for alguém pior ainda como um irmão pior ainda. Se somos nós que o criamos, nem vos digo nada. É uma mistura de sensação de desespero com medo, de que as coisas ainda fiquem pior. É o pensar que "Não, é impossível ele se ter tornado nisto". É todos me dizerem "Tu um dia vais bater com a cabeça na parede, e vais-te lixar à conta dele". E eu pensar "São todos doidos, o meu maninho nunca me vai desiludir." . E prontos, depois existem dias assim, nunca pensei. Mas afinal enganei-me. As pessoas que nos estão mais próximas são aquelas que nos magoam mais. É querermos saber resolver o problema da melhor maneira, sem ninguém próximo saber, para não ficarem com má impressão e depois encostamos-nos ao cantinho e pensamos "Não consigo. Tento e tento e não consigo." O problema é que ele para mim é como um filho que um dia irei ter. Fui eu que sempre tentei lhe dar mais e melhor. Fui eu que o ajudei. Era eu que fazia de tapete para ele não se magoar. Outro problema, é que ele confia demasiado e nunca nas melhores pessoas. Será que eu sou uma má irmã? Será que sou eu culpa? Talvez, dei-lhe tudo sem querer nada em troca. Mas não é isso, que se faz pelos filhos? Se calhar, não, de certeza, não devia às vezes deixar de pensar em mim, para lhe dar a ele. Não sei.
Espero que um dia, ela me agradeça, porque a partir da agora às coisas vão ficar complicadas para o lado dele. Controlar 24 horas por dia. Não sei, talvez seja essa a solução.
Talvez quando ele olhar para trás me agradeça, não sei.