segunda-feira, maio 04, 2009

Eu a poeta
















Às vezes olho para ti e vejo-me.
Vejo-me reflectida nos teus olhos...
Se calhar foram eles a porta p'ra a tua alma.
Não sabemos. Nem tu,nem eu.
O que sabemos é que já lá me encontro, dentro de ti.
Talvez isso é que seja amar.
De repente, e pelas mais diversas razões, habitamo-nos um ao outro.
Talvez amar seja navegar por dentro de ti,
conhecer cada recanto obscuro, cada aresta não limada,
cada esconderijo do teu espirito.
Talvez amar seja aprender a esboçar o mapa da tua alma,
com beijos traçar os caminhos nele existentes,
com as mãos descobrir outros e com palavras torná-los reais...
Desconheço a razão porque me apaixonei, nem vejo a logica deste sentimento,
no entanto, nunca algo fez mais sentido para mim...
Não há nada com mais sentido que os abraços que damos,
que são como que raios de sol quentes, que me iluminam a vida.
Nesses momentos toda eu sou luz.Somos.
E quando te beijo e sorriu *
( *sim, porque dar beijos sem sorrir é como amar sem ser amado )
percebo que a felicidade é como que balão de cores e gargalhadas,
que me enche por dentro e me faz sentir como se, a qualquer momento,
toda eu pudesse explodir de tanta alegria que sinto...
Amar é sobretudo maravilhoso, e amar-te é aperceber-me de que,
por mais infima e insignificante seja a minha existencia perante tudo o que me rodeia,
junta contigo podemos alcançar este mundo e o outro...
Amar deve ser um encontro, nao com o outro mas com nós mesmos,
Com a outra parte de nós...
És a minha outra parte e,
embora eu ainda nao saiba bem o que significa amar-te de um modo tão grandioso,
nem tão pouco tu,
sei que estamos no caminho certo para o descobrir.

Sem comentários:

Enviar um comentário

escreve... vá lá... não custa nada... ;)